Projeto da ULSBA visa a substituição de produtos de plástico

A Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA) está a desenvolver um projeto de Sustentabilidade Social e Ambiental, que visa promover a reutilização de produtos para a produção de outros bens.

De acordo com a ULSBA, o projeto prevê a substituição, numa fase inicial, de sacos de plástico por sacos em tecido não tecido. Progressivamente, a ULSBA pretende substituir vários materiais de escritório de plástico, produzindo, em tecido não tecido, por exemplo, porta documentos e estojo de canetas.

O objetivo final é a redução de cerca de 500 quilogramas de resíduos de embalagens por ano.

Este projeto de sustentabilidade tem uma importante componente social, ao procurar explorar as competências e capacidades de colaboradores da ULSBA e promover a sua valorização.

O projeto visa, ainda, a envolvência direta dos doentes, mais especificamente os que integram o Hospital de Dia de Psiquiatria, através da componente de terapia ocupacional, com o objetivo de facilitar a sua reabilitação e integração social.

Em termos económicos, estima-se a redução dos custos diretos de aquisição de sacos de plástico e, em termos indiretos, na otimização da utilização dos recursos existentes.

O tecido não tecido cem por cento polipropileno é um material de elevada resistência, com um potencial de aproveitamento elevado, através da transformação em artigos que possam ser utilizados no dia-a-dia na ULSBA.

“Deste modo, é criado um fluxo circular e cíclico quase ilimitado, convertendo as folhas em tecido não tecido em sacos de diversos tamanhos, para acondicionamento de roupa e/ou guarda de pertences dos utentes, transporte de medicamentos da farmácia e do laboratório, substituindo os atuais em plástico, assim como em individuais de mesa, bolsas, estojos, porta-documentos, entre outros”, explicou a ULSBA em comunicado divulgado.

Newsletter Hotelaria & Saúde

Receba quinzenalmente, de forma gratuita, todas as novidades e eventos sobre gestão hoteleira em unidades de saúde e bem-estar.


Ao subscrever a newsletter noticiosa, está também a aceitar receber um máximo de 6 newsletters publicitárias por ano. Esta é a forma de financiarmos este serviço.