Especialistas debatem futuro dos cuidados respiratórios domiciliários

  • 20 setembro 2021, segunda-feira
  • Gestão

A Associação Portuguesa de Cuidados de Saúde ao Domicílio (APCSD) e o Observatório de Prospectiva da Engenharia e da Tecnologia (OPET) estão a promover um Ciclo de Debates sobre o presente e o futuro dos Cuidados Respiratórios Domiciliários em Portugal que terá lugar nos dias 21, 23 e 28 de setembro às 17 horas, em formato digital.

Este ciclo será construído por três debates, distribuídos pelos três dias do evento, com os temas “Que inovação e quais os resultados?”, “Que avaliação e como melhorar?” e “Que futuro? Por um novo paradigma da quantidade ao valor para o doente”.

O objetivo da discussão é alertar os portugueses para a situação dos Cuidados Respiratórios Domiciliários (CRD) no país.

O painel de oradores é constituído pela presidente da APCSD, Maria João Vitorino, pelo presidente da European Respiratory Society, Carlos Robalo Cordeiro, pela coordenadora do Programa Nacional das Doenças Respiratórias da Direção Geral da Saúde, Cristina Bárbara, pelo presidente do Conselho de Administração da Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, Luís Goes Pinheiro, entre outros.

“Vivemos uma pandemia que está a afetar a saúde respiratória de milhões de pessoas em todo o mundo e milhares de pessoas em Portugal. Se os cuidados respiratórios domiciliários já eram fundamentais para quem vive com doenças respiratórias crónicas, a Covid-19 revelou a importância do acesso universal e equitativo da população a estes cuidados”, referiu a presidente da APCSD.

Assim, o debate “vai centrar-se nas necessidades e respostas atuais e nas melhorias futuras centradas no doente que podem criar valor em saúde”, acrescentou.

A participação nos debates é gratuita mas carece de inscrição, que pode ser efetuada através do formulário disponibilizado online.

Newsletter Hotelaria & Saúde

Receba quinzenalmente, de forma gratuita, todas as novidades e eventos sobre gestão hoteleira em unidades de saúde e bem-estar.


Ao subscrever a newsletter noticiosa, está também a aceitar receber um máximo de 6 newsletters publicitárias por ano. Esta é a forma de financiarmos este serviço.